Um foguete que sobe de verdade

Excelente para exemplificar o princípio da propulsão, ele é todo feito com materiais recicláveis, que podem ser facilmente obtidos pela criançada

Foto: Itaci Batista | Adaptação web Caroline Svitras

 

O artefato ganha as alturas devido ao sistema de propulsão, que funciona com água e ar comprimido. A garrafa PET, que simula o corpo do foguete, assume o papel de câmara de compreensão. A água depositada em seu interior, quando tampada por uma rolha, transforma-se em combustível, ao ser comprimida pelo ar expelido por uma daquelas bombas usadas para encher pneus de bicicletas.

 

Como esse experimento contempla a Terceira Lei de Newton, conhecida como lei da ação e reação, quanto mais ar, maior será a pressão exercida sobre a água. Portanto, no momento em que essa pressão se torna maior que a força de atrito que mantém a rolha presa à garrafa, ela faz com que a rolha e a água sejam lançadas com uma velocidade bastante grande. Tal ação impulsiona o foguete verticalmente – em sentido contrário à água e ao ar –, o que possibilita seu voo, produzido por uma reação que se origina do “empurrão” dado pela água. Em física, é comum se dizer que, nesse caso, há uma transferência do movimento linear da água para o foguete.

 

Adaptado do texto “Eis um foguete que sobe de verdade!”

Revista Guia Prático do Professor – Ensino Fundamental Ed. 103