O inglês nas séries iniciais

De acordo com a Lei de Diretrizes e Bases da Educação, em 2013, o ensino do inglês é obrigatório a partir da 5º ano do Ensino Fundamental

Da Redação | Fotos: Itaci Batista | Adaptação web Caroline Svitras

Mas o trabalho com essa (ou outra) língua deveria ser introduzido já nas séries iniciais, porque quanto mais cedo a criança tem contato com o segundo idioma, melhor se torna seu ritmo de assimilação. Há várias explicações para tal fato, mas se nos restringirmos somente às concepções do psicólogo suíço Jean Piaget, que fez uma extensa investigação sobre o processo de aprendizagem infantil, durante o período operatório-concreto – que corresponde à faixa etária que vai dos 7 aos 11 anos –, as palavras se transformam em uma espécie de instrumento do processo de pensamento da criança que, por sua vez, torna-se mais comunicativa, está em pleno desenvolvimento cognitivo e mostra capacidade intelectual para aprender outra língua com mais naturalidade.

 

Nesse contexto, cabe ao professor apenas considerar os interesses e as motivações dos seus alunos para introduzir palavras básicas do segundo idioma e, assim, garantir a aprendizagem espontânea. Além disso, como as crianças das séries iniciais do Ensino Fundamental podem dedicar mais tempo à outra língua, elas acumulam conhecimento e , durante a interação com os coleguinhas, despertam processos internos de desenvolvimento, que somente podem ocorrer quando há a participação de semelhantes.

 

O fator motivacional do aprendizado

O professor deve despertar a curiosidade infantil para a segunda língua, de forma interessante, lúdica e significativa para as crianças, por meio de jogos, músicas e vídeos, entre outros recursos que poderão auxiliar o processo de fixação. Convém lembrar que, quanto mais o aluno é exposto a uma palavra, maior será sua retenção. O mesmo acontece com o engajamento no processo de aprendizagem, quanto maior ele for, mais palavras ele incorporará. No entanto, se por um lado, a perfeição da pronúncia ainda não deve ser cobrada, por outro, a criança deve ser estimulada constantemente a tentar se expressar na língua estudada.

 

 

Ponto de partida para o segundo idioma

Quando o inglês é introduzido como diversão, as crianças se estimulam e desenvolvem uma ótima capacidade de concentração, porque sentem que há uma finalidade no aprendizado. Por isso, nas séries iniciais, o trabalho ideal deve partir do vocabulário e os alunos, sempre que possível, devem ser expostos à audição, por meio de atividades lúdicas que fazem uso de objetos referenciados, tanto de forma autênticos quanto em representações audiovisuais.

 

Nessa fase, não cabe enfoques gramaticais, pois a apresentação do inglês deve se dar de maneira alegre e prazerosa, para que a criança se sinta motivada a aprender, tenha a autoestima elevada e saiba valorizar o que produz individualmente e em grupo. Tais fatores facilitam a convivência, a igualdade e a identidade infantil. Mas, ao mesmo tempo, eles também levam a criançada a entender novas realidades, a fazer, a ser e a conviver tanto em seu idioma quanto em inglês.

 

 

Revista Guia Prático do Professor – Ensino Fundamental Ed. 97