De olho no espaço!

Localizado por um telescópio da NASA, um novo sistema com sete exoplanetas está situado na Constelação de Aquário que, por sua vez, fica a 40 anos-luz da Terra

Da Redação | Foto: astronoo.com | Adaptação web Caroline Svitras

A descoberta é muito importante em termos científicos, principalmente, porque os cálculos já realizados indicaram que os exoplanetas são do tamanho da Terra, podem ter água e, em consequência, vida. Apesar desses aspectos, eles estão há 40 anos-luz do nosso planeta e mantêm apenas uma face voltada para Trappist-1, estrela anã e fria, em torno da qual orbitam. Portanto, os dias e as noites são permanentes em qualquer um deles. Além disso, todos são varridos por ventos fortes que, por sua vez, provocam mudanças extremas de temperatura na superfície de cada um.

 

Diante de tais condições, o homem poderia viver nesse novo sistema? A resposta é não, por uma série de motivos, pelo menos, por enquanto! Entre outros detalhes, ainda nos falta tecnologia para ultrapassar ou até igualar a velocidade do ano-luz – unidade referente à distância percorrida pela luz no vácuo durante um ano –, que corresponde a 9,5 trilhões de quilômetros. Hoje, qualquer foguete usado para lançar naves espaciais atinge apenas uma velocidade que varia entre 17.000 k/h e 27.000k/h fora da atmosfera terrestre. Consequentemente, a agilidade deles se torna incompatível com o sonho de alcançar um sistema planetário distinto do solar. No entanto, dá para fazer um pequeno foguete, que sobe de verdade, somente para imaginar como seria uma viagem dessas!

Para conferir mais dicas garanta a sua revista Guia Prático do Professor – Ensino Fundamental aqui!

Guia Prático do Professor – Ensino Fundamental Ed. 150