Como conscientizar as crianças para combater a obesidade e estimular a alimentação saudável

No Brasil, uma em cada três crianças entre 5 e 9 anos está com peso acima do percentual recomendado pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

Os dados são do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)
Como conscientizar as crianças para combater a obesidade e estimular a alimentação saudável
Foto: Wikimedia Commons

Até o fim deste ano, ainda de acordo com a própria OMS, a quantidade de crianças com menos de cinco anos que terão sobrepeso ou obesidade vai ultrapassar 42 milhões em todo o mundo. Em consequência, muitas doenças que eram exclusivas de adultos, hoje, já afetam os alunos do ensino fundamental. Embora alarmantes, essas informações, até agora, não foram capazes de sensibilizar os pais. Portanto, daqui a alguns anos, teremos mais jovens e adultos obesos, entre os quais muitos com problemas comportamentais e psicológicos, diabetes, patologias cardiovasculares etc. Apesar dos fatores hereditários, estudos também revelam que a maioria dos casos de obesidade está ligada a hábitos alimentares indevidos e sedentarismo. Mas o que fazer na escola? Se intervir no cardápio familiar é praticamente impossível, cabe ao educador conscientizar as crianças que a prática de exercícios físicos aliada à alimentação equilibrada é fundamental para a boa saúde. Contudo, se já há uma criança obesa na sala de aula esse trabalho se amplia.

Antes de incluí-la em atividades ligadas ao movimento corporal, se faz necessário orientar aos demais alunos que ela é mais sensível e vulnerável aos apelidos e à discriminação nos esportes e na convivência social. De forma objetiva, deixe claro que, ao rotulá-la, cada um estará contribuindo para que ela se torne um adulto complexado e cheio de problemas.

Em paralelo, tente conversar com os pais dela. Oriente-os, para que possam levá-la a um médico e, assim, obterem um tratamento adequado, que não se restrinja somente à alimentação, mas que também se preocupe com aspectos psicológicos, para que a criança não se sinta inferior aos coleguinhas por ser obesa.

Para trabalhar o tema na prática

O estímulo para a alimentação saudável deve partir do meio social em que a criança se insere, incluindo a sala de aula e a escola como um todo. Mas para ingerir alimentos nutritivos e que fazem bem à saúde, ela deve conhecer os mais variados tipos e experimentar a maioria deles – mesmo aqueles que dizem não gostar. Por isso:

• Sugira às crianças a elaboração de uma pequena horta na escola. Espaço não é problema, porque dá para plantar em garrafas PETs recortadas que, em seguida, poderão ser fixadas em uma parede. Assim, os alunos poderão semear ou plantar mudinhas, regar, acompanhar o crescimento, ver o florescimento (se for o caso), colher e, por fim, ingerir aquilo que cuidaram.

Como conscientizar as crianças para combater a obesidade e estimular a alimentação saudável

• Reforce a abordagem da promoção da saúde e da alimentação saudável, de forma interdisciplinar.

• Implante uma campanha ou um projeto de valorização da alimentação saudável. Para tanto, em comum acordo com a direção da escola, restrinja a oferta, o acesso comercial e a venda de alimentos ricos em gorduras, açúcares e sal. Ao mesmo tempo, promova o consumo de frutas, legumes e verduras, dando ênfase aos alimentos regionais.

• Inclua no calendário escolar a Semana da Alimentação Saudável, que pode ser realizada no mês de outubro, em paralelo à Semana Mundial da Alimentação.

• Junto às crianças, confeccione e espalhe cartazes com as propriedades dos principais alimentos, que deveriam ser consumidos diariamente.

• No momento do intervalo, introduza brincadeiras que requerem movimentação, como esconde-esconde, pega-pega, amarelinha etc.

• Nas aulas de educação física, adeque a prática à faixa etária. Mas antes de iniciar algum desporto, considere a preferência das crianças, para que elas possam desfrutar os benefícios do exercício.

Guia Prático do Professor – Ensino Fundamental I – Ed. 151